Quadrados de Maçã









No fim de semana passado o meu marido ficou doente. Consequência de uma faringite chata que o deixou com febres altas e com dificuldade em deglutir. Como ao almoço ele tinha comido muito pouco, resolvi fazer um bolinho para o lanche. Primeiro pensei logo em fazer um bolo daqueles bem calóricos e pouco saudáveis. Mal comecei a ver receitas, inevitavelmente, via logo muito açúcar aqui, muita gordura ali, muito coisa refinada acolá... não tenho emenda, pronto! Desde que me habituei a este estilo de vida que nunca mais consegui olhar para as receitas da mesma forma, tenho sempre tendência para fazer alterações de modo a que fique mais saudável! Se por um lado queria fazer um bolo cheio de coisas boas para o organismo, por outro lado queria que ficasse um bolo saboroso e que não parecesse saudável. Sim, porque já estava a imaginar o marido a reclamar que já não bastava estar doente e ainda tinha de comer um bolo sem graça! E eis que dei de caras com um bolo que já havia feito e que sinceramente nunca mais me tinha lembrado dele! Quando o fiz pela primeira vez tinha retirado do blog da Gasparzinha, mas desta vez encontrei-o no blog O Bolinho de Sábado. Era mais do que perfeito! Apenas substituí a farinha normal por farinha de aveia, e substituí o coco por flocos de aveia. Eu por mim tinha mantido o coco, mas para bem do meu marido que é intolerante acabei por trocar! Ficou delicioso na mesma, acompanhámos com um cházinho dos Açores (Gorreana) e como disse o meu marido: fizemos um verdadeiro chá das 5!


Quadrados de Maçã:

1 maçã;
50gr de flocos de aveia (ou coco);
1 iogurte natural;
3 ovos;
1 colher de chá de canela em pó;
1 medida do copo de iogurte de azeite;
2 medidas do copo de iogurte de açúcar mascavado;
1 medida do copo de iogurte de farinha de aveia;
2 medidas do copo de iogurte de farinha de trigo integral;
1 colher de chá de fermento royal;
uma pitada de bicarbonato de sódio;

Coloca-se a maçã com casca (sem caroço) na bimby e programa-se 5seg./vel.6. Junta-se os flocos de aveia, iogurte, os ovos, a canela, o azeite e o açúcar e programa-se 4min./vel.4. Junta-se a farinha, o fermento e o bicarbonato e mistura-se 5seg./vel.3. Verte-se na forma (usei um tabuleiro forrado com papel vegetal) e vai ao forno pré-aquecido a 180º durante 30 minutos.

Nota: em vez de farinha de aveia podem usar farinha de centeio, espelta ou outra, ou farinha de trigo se quiserem. Usei açúcar mascavado claro mas podem usar açúcar demerara, açúcar de coco, ou até mesmo açúcar amarelo.

Creme/Smoothie de Nêspera e Pólen















Muito se ouve falar em super-alimentos. Hoje trago-vos um super-alimento que vale a pena conhecer. No entanto quero alertar-vos para um assunto que me preocupa. Se formos a ver todos os super-alimentos que existem e se prestarmos atenção às doses diárias recomendadas percebemos que supostamente devíamos tomar diariamente uma colher de chá disto, uma colher de café daquilo, uma colher de sobremesa daquele outro. Ora, não tardava, não estávamos a consumir mais nada para além de super-alimentos! É que convém tomarmos consciência que o que é em demasia não é benéfico nem saudável. Pode-se chegar ao ponto de, em vez de estarmos a dar ao nosso organismo as coisas que ele precisa, estamos é a intoxicá-lo. Acho que o ideal, e esta é apenas a minha opinião, é ir variando e sem exageros. Tudo o que ingerimos deve ser com moderação e bom senso. Como vos disse no início, hoje quero dar-vos a conhecer um super-alimento não só pelas suas propriedades mas também pelo seu valor pois é acessível. É que a maioria dos super-alimentos são extremamente caros. Este não e ainda por cima podemos encontrá-lo com facilidade. Trata-se do pólen de abelha. O pólen fornece vitaminas, minerais, proteínas, ajuda a combater a fadiga, entre outras coisas. São essas pequenas partículas que vêem na imagem. Se me perguntarem a que sabe, embora eu não saiba bem definir, acho que o aroma e o sabor me faz lembrar as bagas goji! Desta vez resolvi juntar o pólen a um smoothie. Um smoothie espesso, que não deixa de ser um batido mas que se come de colher. Como o pólen tem um sabor característico acentuado, acho que o ideal é misturá-lo com outros sabores também intensos. Neste caso decidi juntar a nêspera, que é um fruto típico desta época e do qual gosto muito. Infelizmente acho que não é um fruto muito consumido e valorizado. Pelo menos é essa a ideia que tenho pois quando vou passear deparo-me com nespereiras carregadíssimas de nêsperas e a estragar-se. Às vezes penso que pecado ter tanta fruta a perder. Quem não aprecia poderia dar ou vender! A nêspera é um fruto caríssimo no supermercado. Por isso acredito que há pessoas que passam por dificuldades financeiras e se calhar têm no quintal uma forma de ganhar algum dinheiro e não aproveitam! Há coisas que eu não consigo compreender, mas não sou ninguém para fazer julgamentos. Enfim, isso já são outros assuntos! A nêspera é ótima para comer simples, para assar como se faz com os marmelos, para fazer compota, etc. Hoje deixo-vos uma sugestão de pequeno-almoço/lanche simples e saudável.


Creme/Smoothie de Nêspera e Pólen:

10 nêsperas;
5 colheres de sopa de iogurte grego natural (receita aqui);
1 colher de sobremesa de mel;
1 colher de chá de pólen;

Coloca-se as nêsperas no processador e tritura-se até ficarem bem passadas. Coloca-se numa taça, junta-se o mel e mistura-se. Junta-se o iogurte grego e envolve-se. Junta-se o pólen e come-se de imediato.

Nota: podem usar as frutas que preferirem.

Salada de Cotovelinhos com Atum



Faço saladas de atum com frequência. São práticas, rápidas de fazer, saborosas e saudáveis q.b.. Ando sempre à procura de novas receitas para não fazer sempre da mesma forma. Mal vi esta n' As Receitas lá de Casa tratei logo de experimentar. Apenas acrescentei o ovo para dar mais cor! Aprovadíssima! 


Salada de Cotovelinhos com Atum:

250gr de massa cotovelinhos pequenos; 
1 lata de atum em azeite de 700gr; 
brócolos cozidos q.b.; 
2 tomates picado;  
azeitonas pretas q.b.;
2 ovos cozidos;

Coze-se a massa e escorre-se. Junta-se o atum escorrido, os brócolos, o tomate picado e algumas azeitonas picada. Envolve-se tudo, coloca-se numa travessa e decora-se com azeitonas inteiras e os ovos. Serve-se de imediato.

Nota: pode-se usar atum em água mas como optei por não fazer o molho que a Maria João sugeria, achei que o atum em azeita acabava por conferir alguma humidade à salada. 

Querem ver?!
















Hoje não vos trago uma receita, mas trago algo relacionado e aviso já que o post vai ser longo!
Sou uma pessoa que detesta obras e por isso quando casámos comprámos uma casa já feita! É certo que quando compramos uma casa já pronta, a mesma foi feita à medida do anterior proprietário e não à nossa medida. Mas definitivamente eu não posso com obras (embora goste da parte dos acabamentos), detesto o pó, o barulho, a confusão, detesto o facto de não conseguir "visualizar" aquilo que está a ser feito e depois de estar pronto percebo que não é nada como idealizei, uma maçada! Nisso o meu marido é mais visionário do que eu, e até gosta de obras, mas como sabe que não as suporto fez-me a vontade e por isso procurámos uma casa que nos agradasse e que já estivesse prontinha a habitar! Se hoje me perguntarem se me arrependo, acho que posso dizer que não! O facto de ser uma casa já pronta poupa muita chatice! Mas lá está, como não foi construída para nós há sempre coisas que depois acabamos por ter de mudar. E ao fim deste tempo todo percebo que comprei uma casa já feita mas que ao fim ao cabo acabei por ter de fazer mais obras do que pretendia! Mas não me arrependo, até porque como o meu marido diz "quando acabamos uma obra é que devíamos estar a começar", e é verdade, porque depois de estar pronto pensamos que afinal podia ter sido assim, que podíamos ter feito assado... Por isso acho que comprar feito foi o mais sensato porque assim já sabíamos como é que as coisas eram e só tivemos de fazer uns pequenos ajustes. Quando nos mudámos éramos só dois por isso na altura a casa era perfeita. Mas, as ruas e os jardins não estavam acabados portanto era preciso tratar disso. E tratou-se! Depois começaram a nascer os filhos e tivemos de ir adaptando todos os espaços para que a casa ficasse mais adequada para uma família de cinco. Além do mais procuramos sempre que um lar seja harmonioso. Entretanto a garagem que ficava "dentro" de casa casa tinha um acesso nada prático para pôr e tirar o carro. Lá se pensou em fazer uma garagem nas traseiras e transformar aquela numa sala grande e ampla pois a sala existente era muito pequenina. Quando estávamos a construir a garagem pensou-se em construir uma pequena cozinha onde eu pudesse cozinhar mais à vontade. Já que se estava com a mão na massa toca a fazer também uma churrasqueira com forno. Como o dinheiro não estica, a churrasqueira e o forno não ficaram concluídos mas deixámos preparados. A cozinha também era para ser um cantinho da garagem e no início colocámos lá apenas o básico, um fogão e uma pequena bancada. E ainda bem que foi só isso! Uma vez no outro blog contei-vos sobre um pequeno incêndio doméstico que tive lá. Felizmente como não tinha móveis nessa cozinha isso ajudou a que o fogo não alastrasse e por isso não tive prejuízos de maior. Mas o fogão foi-se! Durante dois anos a cozinha lá ficou abandonada. Ia fazendo tudo na cozinha de casa. E apesar de ser uma cozinha ampla, o espaço de trabalho é muito reduzido. Para começar há apenas 2 tomadas, é pouco. Depois não tem uma bancada grande de trabalho, é uns centímetros de bancada e o fogão, uns centímetros de bancada e o lava-louça, uns centímetros de bancada e um louceiro mais uns centímetros de bancada. Quando quero cozinhar acabo por sujar aqui e ali porque não tenho espaço onde colocar as coisas. Depois o forno (encastrado) é um atraso de vida, a temperatura que dá no mínimo é a mesma que dá no máximo, cada vez que era preciso fazer um assado tinha de o colocar no forno com bastante antecedência se quisesse que ficasse pronto a horas. Às vezes os bolos também não cresciam como deviam por não ter calor suficiente. O pão também nunca ficava como eu queria! Como o meu marido sabe que adoro cozinhar e que sempre desejei ter uma cozinha fora (mas ao mesmo tempo dentro) de casa onde pudesse cozinhar à vontade, e assim também ter a cozinha de casa sempre limpa e asseada já que é por lá que as visitas vão sempre (será só na minha casa que isso acontece??), começou a falar em remodelar a cozinha da garagem. Ao início não dei grande importância, achei que se comprava um fogão com forno (à séria), uma bancada e um louceiro no máximo. Mas depois percebi que ele tinha outros planos! E quase no final do ano passado pusemos mãos à obra, seria a minha prenda de Natal! E que prenda! Mas como a cozinha foi toda remodelada por nós apenas ficou pronta antes da Páscoa. Feita por nós ficaria mais económico e nada como meter as mãos na massa para perceber o que pode ser feito e o que se pode mudar. Não gosto de obras como disse, mas era por uma (muito) boa causa! Fomos fazendo aos serões depois do trabalho e também aos fins de semana, e assim o trabalho não rende por isso demorou mais do que esperado. Mas acho que valeu a pena. Se ficou perfeita? Certamente não ficou mas tendo em conta que foi feita por dois amadores acho que ficou ótima! Estou muito orgulhosa! Fizemos tudo desde colocar o teto, fazer electricidade, fazer a parede falsa que divide a cozinha da garagem, pintar, montar os móveis, canalização, etc. Eu sei que olhando para o resultado final não se consegue perceber porque demorou tanto, mas garanto que foi sempre a dar o litro dentro do pouco tempo que tínhamos disponível! Estou tão feliz com o resultado, é uma cozinha muito melhor do que alguma vez imaginei! Finalmente tenho imenso espaço para arrumar todos os meus tarecos (como diz o meu marido), finalmente tenho um fogão com bicos suficientes e que dão uma chama excelente, um forno bem grande e que coze tudo num instante (fiz lá os folares e ficaram maravilhosos), há também espalhadas por todas as bancadas tomadas suficientes para poder ter mais de dois eletrodomésticos a funcionar em simultâneo, finalmente terei espaço suficiente para trabalhar à vontade pois as bancadas são amplas e espaçosas, finalmente tenho um exaustor que puxa o vapor em vez de fazer de conta, e tenho também um frigorífico só de frio sem congelador. O frigorífico de casa não é muito grande e ainda por cima o congelador rouba um pouco de espaço. Sempre que se faz uma festa nunca há lugar suficiente para colocar as saladas, as sobremesas, as bebidas, etc. E como tenho uma arca congeladora não fazia sentido comprar um frigorífico com congelador pois o que eu precisava era de um frigorífico bem espaçoso. Por acaso não sabia que existia frigoríficos só de frio, descobri quando fui de férias o ano passado e fiquei logo com um debaixo de olho! A mesa de refeições não era para ser esta, esta é uma mesa que usamos quando temos festas, mas como ela cabia no espaço acabou por ficar e foi mais esse que se poupou! Optámos por cadeiras tipo esplanada pois eram mais baratas e este modelo é muito confortável. Ao fundo ainda se vê a churrasqueira por concluir, ainda não pôde ser desta! Onde tem a porta há um espaço exterior que é para transformar num pátio onde possamos fazer refeições no verão, mas creio que também não será um projeto para este ano. Eu só penso, mas quando é que as obras terão fim?! Eu sei que não tem interesse nenhum para vocês, mas estou tão contente que resolvi partilhar o motivo da minha alegria! Estou deveras cansada mas feliz!

Queijo Fresco












Eu gosto muito de queijo fresco! Sempre que tenho oportunidade faço-o em casa. Fazer queijo fresco é facílimo e sai muito mais em conta do que comprar já feito. Além do mais sabemos com que leite é feito e podemos controlar a quantidade de sal. O leite tem de ser fresco, não pode ser leite pasteurizado senão não vai coalhar (solidificar), ou seja, tem de ser leite fresco do dia vindo diretamente das vaquinhas. Já há no mercado leite fresco do dia à venda, é uma questão de procurar, mas se tiverem a possibilidade de usar leite biológico melhor! Para os queijos que vêem nas fotos (1 grande e 2 pequenos) usei 5 litros de leite fresco. Eu sei que à primeira vista pode parecer muito leite, mas acreditem que não é pois vai libertar muito soro. Quanto à quantidade de coalho (produto que se usa para que o leite se transforme em queijo), depende do tipo de coalho que se utiliza (líquido ou em pó). Há quem utiliza imenso coalho, tipo 25 gotas por litro. Eu acho isso um exagero. O queijo fresco quer-se suave e não uma textura aborrachada. O queijo tem de ser fino, como dizemos cá nos Açores! Eu usei 20 gotas de coalho líquido para 5 litros de leite. O coalho já é facilmente encontrado nos supermercados, mas existe também em mercearias do comércio tradicional e até nalgumas farmácias. É um produto barato e que dá para imensas utilizações. Há quem ainda junta leite em pó ao queijo fresco mas acho isso completamente desnecessário. Quanto ao sal é a gosto, não convém ser demasiado, mas também não convém ser de menos pois o sal ajuda a conservar o queijo e faz também com que fique mais saboroso! Vamos à receita?!


Queijo Fresco:

5 litros de leite fresco do dia (leite biológico);
20 gotas de coalho líquido;
2 colheres de sopa de sal grosso;

Num tacho coloca-se o leite e aquece-se até 40º no máximo (podem aquecer o leite na bimby à temperatura exata). Eu não tenho termómetro por isso é a "dedómetro", isto é, coloco o dedo e quando sentir que deixou de estar morno e já está quente e conseguir manter o dedo por mais de 10 segundos então está no ponto. Junta-se o coalho e o sal e mistura-se bem. Deixa-se repousar entre 30 minutos a 1 hora, vai-se perceber logo quando já está coalhado pois vai parecer uma espécie de gelatina, é uma questão de ficar atento. Quando estiver coalhado dá-se uns cortes com uma faca ou mexe-se com uma concha e transfere-se para um passador de rede fina e coloca-se o passador por cima de uma taça (ou mesmo do tacho que se utilizou) cerca de 15 a 30 minutos para que o queijo liberte a maior parte do soro (eu costumo colocar um tecido fino tipo musseline dentro do passador). Depois é só colocar nos cinchos (aros próprios para fazer queijo) em cima de um tabuleiro e calcar bem. Enche-se bem os cinchos pois acaba sempre por abater um pouco e vai ao frigorífico. Algum tempo depois vira-se os cinchos ao contrário. Isto ajuda a que o queijo fique bem compacto de ambos os lados e ajuda também a libertar o soro. Passadas algumas horas desenforma-se e guarda-se no frigorífico!

Nota: quem não tiver cinchos pode usar um passador de rede para fazer o queijo ou qualquer tipo de aro (se for perfurado é o ideal para ajudar a libertar o soro).